HOMENAGENS ESPIRITUAIS

AVISO IMPORTANTE:

A ORDEM ESPIRITUAL CABOCLO COBRA CORAL, NÃO TEM FILIAIS, NEM FILHO DE SANTO

RECONHECIDO PELO BABALORIXÁ CÉLIO SILVA, COM CASA ABERTA.

APENAS AS DOAÇÕES E LISTAS REALIZADAS INTERNAMENTE (DENTRO DA ORDEM) SÃO AUTORIZADAS PELO BABÁ CÉLIO SILVA.


  A entrega das senhas para as giras públicas será entre 17 e 19 horas. Trazer 1 Kg de alimento não perecível.

Clique aqui e veja nosso calendário


Vídeos gravados na Ordem Espiritual Caboclo Cobra Coral:

Homenagem a Oxoce e ao Caboclo Pena Azul: https://www.youtube.com/watch?v=TvKnX4_542Y

Homenagem ao sr. Zé Pilintra: https://www.youtube.com/watch?v=9KQj50zTEi8


     Na Umbanda, as Homenagens Espirituais para as Entidades, são realizadas conforme a vibração e determinação do Guia Chefe do Terreiro. O Babalorixá Célio Silva, reverencia a todos os Guias e todas as Entidades da Umbanda. Cada Entidade tem sua data e maneira de ser homenageada, porém o Orixá Ogum e o Caboclo Cobra Coral, recebem homenagens especiais por serem os Guias Chefes da Ordem. As homenagens são realizadas conforme o calendário, determinado pelo Guia Chefe do Terreiro.

Todos são bem-vindos!

 

Calendário anual de homenagens


Janeiro - Oxoce e Caboclo Pena Azul

Fevereiro - Cura (Exu Tranca Ruas das Almas)

Abril - Ogum

Maio - Pretos Velhos e Ciganos

Junho - Malandro Zé Pilintra e Iansã

Julho - Nanã Buruquê e Caboclo Rompe Ferro

Agosto - Iemanjá, Oxum e Omulú

Setembro - Ibeijada

Outubro - Caboclo Cobra Coral e Xangô

Novembro - Pombagiras


-*-*-

O vovó Rei Congo trouxe seu axé e distribuiu entre os presentes na Ordem. Para homenageá-lo, além dos quitutes de origem afrobrasileira, houve a representatividade da lavagem da Ordem Espiritual Caboclo Cobra Coral.

Fotos: Glauco Paz



A entrada do Ano Espiritual

O Reveillon na virada do dia 31 de dezembro para o dia 1º de janeiro, dentro da religiosidade não é visto como um marco de transição. Tanto a ritualística e o simbolismo da data geram uma elevação da energia planetária, porém o Ano Novo Espiritual tem início em Março.

Para os Católicos, o ano Litúrgico começa com o período de 04 semanas completas que acontece a solenidade do Nascimento de Jesus Cristo, portanto o Ano Litúrgico é diferente do ano Civil com início dia 1º de Janeiro.

Quando o sol entra na casa astral de Áries, é o início do ano Espiritual é a ressurreição gloriosa iniciando a estação da transmutação do ano porque as águas brancas de Peixes se fundem com  o fogo vermelho de Áries, gerando a transformação surpreendente em nosso organismo, produzindo a luz dourada que funde e envolve o corpo deixando-o iluminado. São João Batista: “-Algum dia iremos andar na Luz como Ele está na Luz.” (Jesus Cristo)

Durante a história da humanidade, a escravidão foi praticada por diversos povos, ela existiu na Ásia, na Europa, nas Américas e na África. Como na África existiam varias etnias, havia muitas lutas e os derrotados eram comercializados com os mercadores de escravos portugueses. Esse fato aconteceu durante quatro séculos.

 A maior parte do tráfico de escravos do Atlântico Português foi da Província do Congo, porque eles eram escravos domésticos, mão de obra fundamental para o desenvolvimento das Colônias no Brasil.

Em várias províncias brasileiras, os negros procendetes do Congo foram vendidos para as atribuições domésticas, que também trouxeram dos seus antepassados e do convívio com os indígenas locais, as curas com as folhas e ervas, as rezas e benzeduras e também as orações da Igreja Católica impostas pelos missionários portugueses. Dentre os escravos rezadores, o negro Otacílio se destacou com o seu poder de curar as mazelas e as enfermidades do corpo, através das rezas e benzeduras.

O negro Otacílio teve acesso a várias fazendas e também pode observar que a missão que Pai Oxalá o designou era de também libertar e curar seu irmão de raça, das dores do cativeiro. Ele entendeu que além de rezador ele foi designado para acabar com os sofrimentos e as torturas da escravidão.

Através das forças do Pai Oxalá e dos Orixás, o caminho foi mostrado e ele conseguiu recrutar e resgatar vários escravos das fazendas, formando um povoado de negros escravos que mais tarde foi transformado em Quilombo.

Em função do seu desempenho, o negro Otacílio recebeu o nome de Rei do Quilombo do Congo, e daí veio o nome de Rei Congo, como ele é conhecido  nos Terreiros de  Umbanda.

No final do século XVII, Rei Congo, fez sua passagem para o mundo dos espíritos já com 90 anos.

Pai Oxalá o agraciou com a benção dele poder vir a terra como Entidade de Luz para continuar a libertar as pessoas da escravidão com trabalho mais árduo, que é a escravidão da inveja que consume a alma, da falta de humildade que magoa o espírito e destrói o perdão e também direcionar os seus filhos e irmãos da espiritualidade através do simbolismo de Lavagem das Escadas do Senhor Jesus do Bonfim, a verdadeira humildade é a iluminação que o Ano Espiritual representa para as religiões de Matrizes  Africanas.


-*-*-
No dia 16 de fevereiro o Exu Tranca Ruas das Almas trouxe sua cinza para realizar a Cura em todos os presentes na Ordem Espiritual. Alaruê Exu, salve o senhor da noite, salve o Sr.Tranca Ruas das Almas!!!

Fotos: Glauco Paz
-*-*-

O caboclo Pena Azul e Oxoce foram homenageados no dia 12 de janeiro. Muito obrigado a você que contribuiu com valores e/ou com seu trabalho. Sem você essa bela homenagem não seria realizada! Okê Caboclo! Okê Oxoce!

Fotos: Glauco Paz


 

 

Mensagem do Caboclo Pena Azul: Achar menos e ouvir mais.

Médium: Elizabeth Caetano Drummond

Muito quer ser dito, pouco se quer ouvir.
Muito quer ser ensinado, poucos querem aprender.
Muito quer ser mostrado, pouco quer ser visto.
Muito quer ser dado, poucos querem receber.
Muitos falam, muitos apontam e muitos criticam, mas são poucos que conseguem enxergar onde estão seus erros, não adianta pedir ajuda conhecimento e perdão.
Muitas vezes escutamos os pedidos de socorro, porém nem sempre podemos socorrer.
Nem sempre sabemos o momento exato de lhes aconselhar, pois para que saibamos é preciso que o corpo esteja em sintonia e harmonia com a alma, com o pensamento e com o coração.
Então é nesse momento que nossa presença é ignorada e muitas vezes julgada.
A culpa é de quem? Será que nós não os amamos? Será que nós não os escutamos? Será que nós não queremos os ajudar?
Não, não é isso, apenas nos calamos com as nossas tristezas, tristezas essas de ver um filho amado se perder no orgulho, na arrogância, na vaidade, no esquecimento de seus deveres espirituais, deveres esses que não foi imposto por nós, não pedimos nada além de vocês estarem com o corpo e mentes livres para executar o que na Terra vocês escolheram que é servir a uma casa de caridade e permitir que nós façamos a caridade.
Para nós não adianta tomar banhos, fazer preceitos longos, acender velas, fazer orações se a alma e a mente não estiverem limpas e felizes.
Sabem como se limpa a alma e a mente?
Expurgando de vocês os pré-julgamentos, a vaidade, as incertezas do que se é visto. Nem sempre tudo que se vê é o certo.
Ser humilde não é andar de cabeça baixa e falar baixinho, ser humilde é reconhecer que errou e pedir perdão, é parar de falar de algo que vocês ACHAM que estão certos, quando o próximo tem a CERTEZA.
Vamos achar menos e ouvir mais, para que no decorrer de suas encarnações vocês tenham mais certezas.
Somos as armas e junto a vocês formaremos um exército para enfrentar qualquer batalha.
Caboclo Pena Azul, um Caboclo que ainda tem muito que escutar para aprender.

Recebida pela médium Elizabeth Caetano Drummond